Mostrar-me um exemplo O meu título conteúdo da página A B R U P T O S U A V E: Novembro 2006
Daily Cartoon provided by Bravenet Daily Cartoon provided by Bravenet.com

quinta-feira, novembro 23, 2006

Serenidade

Oração da serenidade

Ó Deus, concedei-me Serenidade
para aceitar as coisas
que não posso modificar,
Coragem para modificar aquelas que posso,
e Sabedoria para perceber a diferença.
Ámen.

quarta-feira, novembro 22, 2006

Festas Felizes


Especialidades e GENERALIDADES CULTURAIS...

segunda-feira, novembro 13, 2006

UM TEXTO SUBLIME...Questão de identidade

Especialidades e GENERALIDADES CULTURAIS...

Publicado no Primeiro de Janeiro de o­ntem:

questão da identidade - uma longa praia
André Veríssimo

«Todo o discurso é, qualquer que seja o grau, ligado assim ao mundo. Pois se não falasse do mundo, do que é que falaria?» Correia, Carlos João, Ricoeur e a Expressão Simbólica do Sentido. Braga: Fundação Calouste Gulbenkian Fundação 1999: 460). Textos intrinsecamente polémicos os de Eduardo Lourenço (EL), n’O Labirinto da Saudade. Visando explícita ou implicitamente os diversos tipos de «discurso identitário» que acerca de Portugal existam, O Labirinto da Saudade é percebido, também, como um discurso identitário. (LOURENÇO, Eduardo, O Labirinto da Saudade, Lisboa, Gradiva, 2000 (1ª Ed. 1978)). O que nós somos e não somos. A explicitação de Eduardo Lourenço é paradoxal e problemática. Partindo do ensaio de Eduardo Lourenço “Psicanálise mítica do destino português”, propõe-se a leitura de quatro textos de diegese ficcional portugueses que interpretam e problematizam uma identidade marcada pela “aliança” das imagens: territorial, nacional e a extraterritorial ou mundial, imperial, no mínimo, ibérica. Neste contexto de problematização das questões da identidade navegam também, José Eduardo Agualusa Nação Crioula: correspondência secreta de Fradique Mendes, Lisboa, D. Quixote, 1997., António Lobo Antunes, Os Cus de Judas, Lisboa, D. Quixote, 212001 (1ª ed. 1979)., João Barrento Nelken und Immortellen, Berlim, Tranvia, 1999., Lídia Jorge, A Costa dos Murmúrios, Lisboa, D. Quixote, 1988, José Cardoso, Pires, O Delfim, Lisboa, D. Quixote, 111993 (1ª ed. 1968), José Maria Cameira, A Federação “Frustrada”, Edium Editores, Matosinhos, 2006. Diz numa entrevista EL: “É de crer que por deficiente tradução dos meus pontos de vista, O Labirinto da Saudade se transformou num texto-boomerang como algumas das reacções à obra, na altura em que saiu, o mostraram. O questionamento da identidade portuguesa não fazia parte do meu propósito”. Portanto um certo modelo de tensão essencial entre a visão consciente entre a raiz dos traços da portugalidade e a sua assunção de messiânico destino ou de hiperidentidade. “Quando muito, as versões dos vários discursos sobre Portugal que tinham, em comum, não só serem de carácter o­ntológico como transcendente ou, pelo menos, destinado a reforçar uma leitura transcendente do destino português”, conclui. Também Isabel Pires de Lima (IPL) em documento por nós acedido electronicamente da faculdade de Filosofia, letras e ciências humanas da Universidade S.Paulo referido de via atlântica n. 1 mar. 1997 - sentencia: “Eduardo Lourenço, um dos mais interessantes ensaístas portugueses da autognose nacional, a defende a ideia de que Portugal não sofre de problemas de identidade mas de hiperidentidade (LOURENÇO, Eduardo. Nós e a Europa ou as duas razões. 3 ed. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1990, p. 10). A experiência de perda – perda historicamente prevista de um império que a estratégia ideológica do regime deposto com a “revolução dos cravos”, em 25 de Abril de 1974, fizera durante cerca de 40 anos crer eterno – foi acentuadamente traumática, o que é tanto mais natural quanto passou pela dolorosa experiência suplementar cerca de quinze anos de guerra colonial (entre 1961 e 1974). Claro que a euforia inicial decorrente da coincidência entre o fim da guerra colonial, a independência das ex-colónias e a nossa própria reconquista da liberdade, escamoteou o trauma, de tal modo que o mesmo Eduardo Lourenço, em 1978, surpreendia-se com o facto único da derrocada do nosso império de quinhentos anos, que parecia essencial à imagem corporal, ética e metafísica de portugueses, ter acabado sem drama” (E.L., O labirinto da saudade. 3 ed. Lisboa: D. Quixote, 1988, p.43). Ora, pensamos que se as vidas mudadas e mutiladas de centenas de milhares de portugueses podem firmar um destino brando e uma autopoiésis gigantesca de reconstrução de modelos de integração no rincão europeu não é senão uma forma de reinvenção de mítico destino ou se quisermos em termos psicanalíticos de sublimação traumática. A sua denegação é impossível. Só por total desconhecimento da história e das suas causas mais fundas podem reimplantar-se literatices patéticas para condicionar a forma de ver a História como uma historieta dualista entre o escrutínio da liberdade e razão e a opressão e a barbárie como se essa condivisão pudesse fazer-se a estadulho e com vendas ideológicas, como tão bem costuma esclarecer o torguiano pensar de João Barroso da Fonte na sua disposição dialógica, como na obra de Torga expressa na sua plenitude a condição portuguesa, no duplo sentido telúrico e humano. Por aí reconhecemos fazer parte de um espaço histórico, científico, telúrico e humanitário. E Torga ele-mesmo: «A pimenta e a cravo das nossas andanças marítimas, e o vinho, o alho e o louro da nossa rotina telúrica, depois de complicadas alquimias, passaram de meros condimentos a puras essências de sabedoria». Miguel Torga, Diário III, p. 88.Diz EL: “A «cegueira» africana não fora uma peripécia entre outras, tinha uma tradição e convidava a rever o nosso presente nesse instante mágico em que com o fim do Império uma certa venda nos caía dos olhos. Nós podíamos, pensava eu então, dizer-nos a verdade sobre nós mesmos, ou pelo menos, tentar perceber como o duplo desastre africano, militar e ético, não era apenas uma aberração ligada a uma certa ideologia, mas a conclusão de um itinerário que merecia ser revisitado”. A aberração desse destino mítico e ou histórico não poderia enquadrar-se com um tempo infinito mas ser percebido na construção dos modelos de continuidade que o desafio de hoje supõe esse esforço por desaparecer numa Europa diferente e próxima. Diz IPL, no mesmo texto: De país multirracial e multicontinental, de povo em diáspora, eis-nos tornados, ou retornados, Europa; (…) Somos um país na cauda das estatísticas? Ou só uma longa praia vagamente despoluída?” E continua IPL ( Ib.): “Somos o país de Fernando Pessoa, esse excêntrico poeta que se desmutiplica em vários? Ou um povo de velhos argonautas que paradoxalmente continua a esperar que um jovem rei, há séculos desaparecido no norte de África em mais uma aventura imperial – D.Sebastião –, atravesse séculos de bruma para cumprir a promessa de um outro poeta visionário – Camões – que para ele anunciara o destino messiânico de ser a Maravilha fatal da nossa idade. Dentro duma divisão histórico-crítica de um lado postulando a herança de Antero de Quental e António Sérgio e do outro a linhagem doutrinária e mitológica de Oliveira Martins que é retomada por José Gil em Portugal Hoje, o medo de Existir — nos relatos e tramas da autopsignose colectiva dos trabalhos de identidade reconstrução por nós e de nós. Com todos os limites que a identidade dum corpo em movimento ou uma identidade dinâmica possibilitam: a articulação de imagens como fabricação do poder ou do poder do sujeito que somos quando desdobramos a o­ntologia das múltiplas identidades do pensar e da heteronímia em que cabem impossivelmente o negreiro e o judeu, o inquisidor e o descobridor, o “santo” e o poeta, o Abraão Zacuto, isto é o génio das matemáticas, e o Amadeo de Souza Cardoso enorme, etc. A identidade é assim ego-história ou história mítica ou mitologia como arte ou pensamento social que cria e reinventa através dos seus veículos simbólicos ou na expressão de EL: “continuidade e metamorfose, sucessão de «identidades» e sempre, na medida em que Portugal é, ao mesmo tempo, o sujeito e o resultado dessa História, um actor no meio de outros, uma História confrontada com outras Histórias”. E «uns não poderão aquietar-se sem regressar ao lar antigo (tal é o caso de Régio e igualmente o de um António de Sousa e um Nemésio), outros conservarão a nostalgia dele e, mesmo lutando contra o que a sua razão adulta lhes mostra como ilusão, encontram nessa luta a sua razão de ser e muitas vezes lhes acontecerá não saber se os ídolos que guardaram dessa mítica infância não são na verdade imagens transitórias do Deus autêntico.» (Lourenço, Eduardo, Tempo e Poesia. Lisboa: Relógio d’Água, 1987, p. 99). Aqui a divindade pode ter o nome do território que somos e habitamos. Que lugar tem o outro de nós? E se somos um/outro, uma unidade múltipla como podemos preservar a estabilidade dum território como o espaço de uma dimensão unidimensional que não encerra nada de si como uno, diferenciado, único, separado, clausurado, vazio, discreto, monológico, em ruptura…mas múltiplo em si mesmo aberto, crítico, ibérico e mundial como uma conjunto de formas que se interligam, o­nde domesticam as aparências dum centro de identidade que não está em parte nenhuma e paradoxalmente em todas as partes, com os seus dramas, rupturas, estímulos e sentido, povo e estruturas, poder e decisão de continuidade e de soberania. Neste cruzar de identidades está transversal o tempo como heterogéneo modelador duma instância que nos separa de nós e da nossa corporeidade. Um Portugal visto para além de si dialecticamente negado e por reacção à sua imagem continuamente afirmado tanto mais quanto mais distante. «A diversidade nacional resulta, em boa parte, da forma como se conjugam os vários elementos constitutivos das suas sucessivas expressões históricas» (Mattoso, José, A Identidade Nacional. Lisboa: Gradiva Publicações, Lda, 1998: 6). Entidade agora pluriluiguistica, unificada, com múltiplas heranças fenícia, grega, romana, africana, árabe, visigótica, etc., reinstalando os modelos da globalitarismo americano, a Europa revisita-se como modelo extraterritorial e não-simbólico porque cada vez mais euro-asiática ou euro-africana._________________

sexta-feira, novembro 10, 2006

BAILEMOS Y....



Especialidades e
GENERALIDADES CULTURAIS...

COMUNICAÇÃO SOCIAL e JORNALISMO
  • O Primeiro de Janeiro
  • TERRAS DO AVE
  • RETORTAblog
  • POVOASEMANARIO
  • VOZ DA POVOA
  • RADIO MAR
  • RADIO ONDA VIVA
  • A VOZ DE ARGIVAI
  • Interessantes:
  • ENGENHEIRO
  • MAR
  • A CERCA
  • ADVOGADO
  • IGNORANCIA
  • A ALQUIMIA
  • TSF -Radio
  • PORTOLEGAL
  • Google News
  • P.SOCIALISTA
  • BOTICARIO
  • PSP
  • A Verdade da DescolonizaÇÃO
  • DESPORTIVO da POvoa
  • ANGOLA MINHA TERRA
  • CLUBE FLUVIAL VILACONDENSE
  • CLUBE NAVAL POVOENSE
  • MUITOGROSSO
  • AQUI manda o Pecus
  • TONY VIEIRA
  • O POVEIRO
  • Ca-70
  • ANTIVILACONDENSE
  • KAFKA
  • Andebol da Povoa
  • UNIPOL
  • Argivai
  • PEREIRALEX
  • UDCARGIVAI
  • SEXTANTE POVEIRO
  • ACÇÃO SOCIALISTA
  • Benfica
  • BRASIL ESCOLA
  • Google News
  • Edit-Me
  • Edit-Me
  • Google News
  • Edit-Me
  • Edit-Me
  • Powered by Blogger

    online IMPRESCINDIVEL

    Necessários:
  • AUTARQUIA POVEIRA
  • Ass. Port. Dto CONSUMO
  • PETISCOS
  • ATLETISMO
  • PARÓQUIAS
  • Comunicação e Jornalismo:
  • O Primeiro de Janeiro
  • TERRAS DO AVE
  • RETORTAblog
  • POVOASEMANARIO
  • VOZ DA POVOA
  • RADIO MAR
  • RADIO ONDA VIVA
  • A VOZ DE ARGIVAI
  • Interessantes:
  • ENGENHEIRO
  • MAR
  • A CERCA
  • ADVOGADO
  • IGNORANCIA
  • A ALQUIMIA
  • TSF -Radio
  • PORTOLEGAL
  • Google News
  • P.SOCIALISTA
  • BOTICARIO
  • PSP
  • A Verdade da DescolonizaÇÃO
  • DESPORTIVO da POvoa
  • ANGOLA MINHA TERRA
  • CLUBE FLUVIAL VILACONDENSE
  • CLUBE NAVAL POVOENSE
  • MUITOGROSSO
  • AQUI manda o Pecus
  • TONY VIEIRA
  • O POVEIRO
  • Ca-70
  • ANTIVILACONDENSE
  • KAFKA
  • Andebol da Povoa
  • UNIPOL
  • Argivai
  • PEREIRALEX
  • UDCARGIVAI
  • SEXTANTE POVEIRO
  • ACÇÃO SOCIALISTA
  • Benfica
  • BRASIL ESCOLA
  • Google News
  • Edit-Me
  • Edit-Me online
    www.abruptosuave.blogspot.com
    gosta
    nao gosta
    nao responde
    indiferente
    melhorou
    piorou
      
    pollcode.com free polls